quinta-feira, 25 de maio de 2017




- Do que temos nos “apossado” que não nos pertence?

Estamos decepcionadíssimos com os “atos” do setor político e econômico do nosso Brasil. Porém, será que temos sido exemplo de responsabilidade e ética?

Como pessoas, como cristãos e como cidadãos devemos questionar esse “jeitinho” brasileiro de lidarmos com coisas e pessoas no nosso cotidiano.

- Do que temos nos “apossado” que não nos pertence: dos assentos e estacionamentos públicos destinados às pessoas especiais? Do troco errado e não devolvido? Das muitas filas furadas? Do assento reservado na igreja superlotada? Do uso dos produtos de marca falsificados? Do atestado médico falsificado? Do serviço ”escravo” dos funcionários? Do salário ganho imerecidamente? Do carro que não podemos ter? Da mansão que não conseguimos pagar nem o condomínio? Dos livros, tupperwares, formas de bolo, canetas etc, não devolvidas. Enfim, a lista é imensa... Sim, nos apossamos dos direitos ou das coisas que pertencem a outrem, sempre com esse “jeitinho” predileto, criativo e obscuro para obtermos vantagens ou solucionarmos problemas pessoais ou familiares. Assim têm agido a classe politica e empresarial do nosso País. E nós, como temos agido?

Se queremos um Brasil honrado, será necessário que a maioria dos brasileiros (inclusive cristãos) voltem para a “escola da vida” e aprendam o que significa: ética, moral e honestidade. Temos que nos “educar” e sermos cheios de responsabilidades em todos âmbitos de nossas vidas. Temos também o dever de passarmos “valores” para a nova geração, para que saibam o que significa ser um homem digno, honrado... Existe, sim, senhores, um caminho a percorrer: o caminho do temor e do amor. Amor a Deus e ao próximo. O amor não faz mal ao seu semelhante. É o temor a Deus que nos desvia do mal. O temor e o amor nos fará homens éticos, íntegros, retos... Retornemos pois, às Escrituras Sagradas! O que faltou aos políticos e aos empresários corruptos? Temor (Ec 12:13) e amor (Rm 12.13).


Ah, se aqueles na qual elegemos para exprimir a nossa vontade tivessem se dedicado a trabalhar para o desenvolvimento e criação de Leis para o bem da população, com certeza, o Brasil seria um outro Brasil. Muitos não seriam analfabetos funcionais, outros não estariam em uma espera "infinita" na fila do SUS, ainda outros não morreriam a míngua nos hospitais pelo País afora, etc... Que pena! Que pena que elegemos homens para trabalharem em prol do povo, porém, esses "trabalharam" em prol da causa própria.

Que Deus se agrade da nossa pessoa, da nossa nação, dos seus filhos como cidadãos da terra e do céu, e que possamos resplandecer como luz em meio a um Brasil em que a maioria do setor econômico e politico jaz em um “mundo” cruel e tenebroso.

- “E vê se há em mim [Senhor] algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno”. (Salmo 139.24)


Isabel Lima


(Imagem tirada da internet)

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Brasil... Dias como na época do profeta Jeremias

Na época de Jeremia, reis, sacecerdotes, profetas e o próprio povo não dava ouvido à voz de Deus. Cerca de 585-580 a.C, homens injustos que estavam no poder deixavam uma herança de iniquidade aos seus sucessores: idolatria, roubo, opressão, mentira, falsidade, engano, corrupção, imoralidade, etc. Hoje, século XXI, vivemos dias idênticos: "Como uma gaiola cheia de pássaros, são as suas casas cheias de enganos; engrandecem-se e enriqueceram, tornaram-se gordos e nédios. Os seus feitos malignos não têm limites, não julgam a causa dos orfãos, para que prosperem, nem defendem o direito dos necessitados. Não castigaria eu estas coisas: diz o Senhor. Não se vingaria a minha alma de uma nação com esta?". (Jr 5.27) 

Brasil - Degradação social e desvio moral
Abundam o adultério, o perjúrio, a opressão,  a fraude, a imoralidade, etc : “Chegar-vos ei a vós para juízo, e serei  uma testemunha veloz contra os feiticeiros e contra os adúlteros, e contra os que juram falsamente, e contra os que defraudam o trabalhador, e pervertem o direito da viúva e do orfão, diz o Senhor dos Exércitos". (Ml 2.5). 

O povo assim o deseja
Não diferente do povo que Jeremias "gritava" para que o ouvissem, pois os mesmos preferiam,  desejavam ouvir o engano, ouvir a mentira dos falsos profetas do que ouvir a mensagem do verdadeiro profeta de Deus. Nada diferente de hoje, muitos, democraticamente, "assim o desejam": desejam leis imorais, desejam a "marcha da maconha", desejam o aborto, desejam o modelo da "nova família", etc, pouco ou  nada se importam com a vontade divina, com a Lei de Deus. 

Até mesmo cristãos,  sem discernimento votam em homens corruptos, sem temor de Deus, homens peritos em  enganar, em se fazerem passar por "benfeitores" do povo. Oremos para que o Senhor dê sabedoria e discernimento ao nosso povo na hora do voto, e também para que políticos corruptos sejam destituídos  do poder. 

“Pois não há nada oculto que não haja de manisfestar-se, nem escondida que não haja de saber-se e vir à luz”. (Lc 8.17)

Isabel Lima