quinta-feira, 7 de agosto de 2014

"Uma “obra prima” feita de barro e desenhada pelas mãos do Criador."


Olhemos ao nosso redor e veremos como somos tão diferentes!! Hoje, o mundo tem 7 bilhões de pessoas, singulares e únicas. Diferentes  fisicamente e diferentes na  forma de pensar, de sentir e de agir. Uma dádiva de Deus,  graças por isso!!

A ciência nos mostra alguns traços que são somente nossos e de mais ninguém: o DNA; as digitais, o modo de andar,  os batimentos cardíacos: “(Esqueça as músicas românticas dizendo que dois corações podem bater em uníssono." A realidade é que dois batimentos cardíacos nunca são iguais)”; a voz; o cheiro;  o macrobioma (microorganismos); os olhos; as orelhas e as ondas cerebrais. (Caroline Williams, da New Scientis).

Não fomos criados em série, mas criados de uma forma graciosa e especial. Uma “obra prima” feita de barro e desenhada pelas mãos do Criador. Porém, mesmo tão diferentes de corpo e alma,  a  mais excelente das virtudes - o amor -  nos faz “iguais".

Que saibamos aceitar e amar o nosso semelhante, tão diferente de nós, como Deus em Cristo nos aceitou e nos amou. Isso sim, nós faz “parecidíssimos” e “iguaizinhos” uns aos outros e muito mais parecidos e iguais ao Filho de Deus.

- “É difícil, Senhor, aceitarmos e amarmos uns aos outros porque somos muito diferentes, porém, que o teu Santo Espírito ajude-nos a sermos ‘um’."   

Eis algumas das causas de determinadas pessoas amar e preferir a convivência  com  os animais mais do que com outros seres humanos. O animal não fala, não diz "não", não diz verdades que não gostariamos de ouvir e além do mais,  foi adestrado à sua maneira. Essas pessoas  não conseguem conviver com as diferenças peculiares de seu semelhante, gostaria que todos fossem "ela".

Somente o amor ágape, o amor de Deus, derramado em nossos corações pode fazer dos seres humanos apenas  “um”. Um entre nós e um com Jesus Cristo!!

Nossos batimentos cardíacos nunca serão iguais, mas corações que sabem aceitar e amar o outro tão diferente de si,  podem sim, bater no mesmo “compasso de amor.”.

Haverá momentos de carências em nossas vidas,  e  não teremos os abraços que necessitamos, sabem por quê? Porque o outro tem o direito de não estar tão carente como nós.  Ficamos, ao mesmo tempo, "chocados" e "estarrecidos" com tanta pessoalidade...

Somos singulares, somos únicos, extraordinariamente gente, e...

Graciosamente, Filhos de Deus!! E não robôs...

E Cristo!!,
(Isabel Lima)
(Foto tirada do Pinterest)

2 comentários:

  1. Oi Irmã Isabel Lima,

    Passei para cumprimentar você e seu esposo, e para fazer uma coisa que sempre gosto: Agradecer a Deus pelo conteúdo deste Blog. Ô Glória!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Pastor João Cruzue, eu e meu esposo, Wilson, agradeçemos pelo incentivo e pela "visita". Abraços fraternais.

    ResponderExcluir