terça-feira, 30 de julho de 2013

PASTORES COM PSICOLOGIA DE “REIS”.

Na ultima semana o nome que mais ouvimos na mídia foi o nome do  papa Francisco,  que se tornou sinônimo de humildade, simplicidade, solidariedade, fraternidade, evangelização aos mais pobres, além, claro, da simpatia da pessoa do papa.  Era conhecido como o "cardeal das favelas" na Argentina, em sua terra natal, por causa de seu estilo de vida austero e as visitas a áreas pobres da cidade.

Quanto ao estilo de vida austero, o Apóstolo Paulo em sua epistola aos Colossenses combateu o ascetismo gnóstico:  "Se estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos sujeitais ainda a ordenanças como se vivêsseis no mundo, tais como: não toques, não proves, não manuseies? Todas estas coisas estão fadadas ao desaparecimento pelo uso, porque são baseados em preceitos e ensinamentos dos homens. Têm, na verdade, aparência de sabedoria, em culto voluntário, humildade fingida, e severidade para como o corpo, mas não têm valor algum contra a satisfação da carne”. (Cl 2.20-23).

Pois bem, enquanto o papa Francisco abdica de suas muitas regalias que o cargo eclesiástico lhe oferece, alguns “Lideres” cristãos, ao contrário, fazem questão de regalias,  de status, de poder, de fama, de dinheiro, etc. Vivemos em uma época em que mulheres e homens cristãos "ostentam" títulos de: conferencistas, mestres, profetas, pregadores, cantores, apóstolos, bispos, sacerdotes, etc. Amam um fhash, um palco, e se deixam venerar por seu fãs: "cristãos" idólatras e enlouquecidos.  Fico mais admirada ainda com pregadores, a "estrela" maior, que  somente chegam no culto "depois" de Jesus.   Não sabem mais o que significa: dobrar os joelhos, louvar, adorar... As "Vossas Magestades Reais" chegam na hora de pregar. É triste ver a que ponto chega o estrelismo de tais pregadores.  Todos que buscam regalias no cargo eclesiástico são "pastores" com psicologia de “reis”. Deus, jamais, dividiu a glória dEle com alguém.

Hoje, o titulo de pastor, digamos que,   é “café pequeno”. Realmente,  pastores, estes,  não podem ser, porque o verdadeiro pastor cuida, ensina, alimenta e ama a ovelha.  Porém, o tais “apascentam-se" a si mesmos, comem a gordura e vestem a lã das ovelhas. (Ez 34.1-31).  O amor desses “pastores” em mais alto grau não é a Deus e nem às ovelhas, e nem  às almas que estão morrendo sem conhecer a Jesus, mas o amor em mais alto grau é ao dinheiro. “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males.” (I Tm 6.10).

Alguns “Lideres” vivem em mansões, cercados de ouro, prata,   carros importados,  jatinhos, roupas de grife, etc. Jamais falariam com uma irmã telefonista ou com um irmão jornaleiro como fez o então Cardeal Mario Jorge Bergoglio  quando recebeu o titulo de papa e quis se despedir de seu amigo jornaleiro e ele mesmo pediu a ligação para a telefonista.

Pergunto: É pecado um Líder cristão ser rico? Não!  Não há necessidade do Pastor fazer voto de pobreza e nem mendigar nas ruas com suas pregações. Pastores podem ter carros importados,  iates, aviões, mansões em Boca Raton etc, desde que esses bens não sejam acumulados com os dízimos e as ofertas sagradas dos fiéis, desde que esses bens sejam acumulados com o o suor de seu rosto, ou seja herança familiar.

Hoje, temos cristãos praticando os dois extremos: uns valorizando muito o “ter”, outros abrindo totalmente mão do “ter”, para viver uma vida de mendicância, de extrema pobreza. Ambos os ensinamentos se encontram desvirtuados da Santa Palavra de Deus. “Mas, ainda que nos mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vós anunciamos, seja anátema.” (Gl 18)

Ser  rico não é pecado, porque Deus em sua imensa bondade permitiu que a luz do sol brilhasse a todos os homens, independente de sua religião, seja cristãos ou não cristãos: “Tudo sucede igualmente a todos; o mesmo sucede ao justo ou ao ímpio, ao bom e ao mau, ao puro e ao impuro. Assim o que sacrifica como o que não sacrifica; assim ao bom como ao pecador, ao que jura como ao que não teme o  juramento.” (Ec 9.2)

Também não é pecado o cristão ou o Pastor usufruir de seus bens materiais: “E quanto ao homem,  a quem Deus deu riquezas e fazenda e lhe deu poder para delas comer,  e tomar a sua porção, e gozar do seu trabalho, isso é dom de Deus.” (Ec 5.19).  Pecado é amar em mais alto grau, não a Deus, mas coisas efêmeras, mas tão grande em seus corações.

Jó, era um homem rico, que abençoava o pobre e o necessitado: “Se retive o desejo dos pobres, ou fiz desfalecer os olhos da viúva, ou se sozinho comi o meu pão, e não comeu dele o órfão também (pois desde a minha mocidade criei o órfão como se fora pai, e guiei a viúva desde o ventre da minha mãe), se alguém vi perecer por falta de roupa, e ao necessitado falta de coberta, e se os seus lombos não me abençoaram, se ele não se aquentava com a lã dos meus cordeiros, se levantei a mão contra o órfão, sabendo ter o apoio dos juizes na porta, então caia do  ombro o meu braço, e seja arrancado da articulação. (Jó 31.16-21). A verdadeira religião: visitar os órfãos e as viúvas e guardar-se incontaminado do mundo. (Tg 1.27),

Aos verdadeiros Pastores se fará necessário ter os mesmos sentimentos nobres que havia em Jesus Cristo "De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas a si mesmo se esvaziou, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens. E, achado na forma de homem , humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até a morte, e morte de cruz. Pelo que Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome, para que o nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, na terra e debaixo da terra. E toda língua confesse que Cristo Jesus é o Senhor, para glória de Deus Pai”. (Fp 2.5-10).

"Lideres"evagélicos,  retornem  urgente às Escrituras, ao primeiro amor, ao Evangelho genuino e aprendam com Jesus, ou senão, aprendam com o exemplo do Papa Francisco. Sois Pastores! Os Pastores estejam perto das pessoas, sem psicologia de "príncipes".”. (papa Francisco)

Palavras do Papa Francisco:
- Não podemos ficar enclausurados na paróquia, na nossa comunidade, quando tantas pessoas estão a esperar pelo evangelho”.

- "Não se trata simplesmente de abrir a porta para acolher, mas de sair pela porta a fora para procurar e encontrar", disse.

- "É nas favelas que nós devemos ir procurar e servir a Cristo". ”.

Será que alguns Lideres evangélicos necessitam de um Padre cristão, católico, Jesuíta e Franciscano de coração, ensiná-los a serem missionários, obedientes, abnegados, disciplinados, simples e caridosos? “Examine-se o homem ["Lideres" evangélicos] a si mesmo.”  (I Co Co 11.28). Será que muitos necessitam serem ensinados pelo papa que não é somente a Europa e os Estados Unidos que estão carentes de misioneros, mas "Jerusalém", "Judeia, "Samaria" e até os confins da terra. "Saí depressa pelas ruas e bairros da cidade, e traze aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os mancos". (lc 14.21).. 

Como cristã protestante não professo a mesma fé papa Francisco, não comungo da mesma doutrina e não o considero como meu sumo e nem santo pastor, porem, como Mario Jorge Bergoglio e como cristão católico é um exemplo irrepreensível em sua religião. .

O meu verdadeiro,  ùnico, santo e Sumo Pastor é - Jesus Cristo – o Filho de Deus, que ouviu o choro dos famintos, tanto fisicamente quanto espiritualmente e trouxe a graça da salvação a todo o que nele crer. A Ele pois, toda a minha adoração!  “Porque dele e por ele e para ele são todas as coisas. Glória, pois, a ele eternamente. Amém’ (Rm 11.36).              
  
Isabel Lima
Copyright

Nenhum comentário:

Postar um comentário