sexta-feira, 1 de março de 2013

Jesus, o nosso bem maior!

O materialismo é a posição que se recusa a crer em algo além do puramente material, não consegue enxergar nada além do mundo físico, não admite o sobrenatural. O homem materialista crê que tudo que existe no Universo se reduz à matéria. Ser materialista é ter uma vida unicamente voltada para os gozos e bens materiais. A prática materialista tem acompanhado o homem desde o inicio da humanidade.

Os descendentes de Caim era uma civilização totalmente materialista
Caim, após matar o seu irmão,  saiu da presença do Senhor, casou-se, teve filhos e edificou uma cidade. A civilização de Caim, a linhagem ímpia de Adão e Eva, era totalmente materialista,  (G 4.18-24) , voltada para as coisas da terra: possuíam gados, tocavam harpas e flautas órgãos,  eram mestres em toda a obra de cobre e de ferro,  porém, não havia qualquer preocupação com as coisas espirituais. Porém, os descentes de Sete, a linhagem piedosa de Adão e Eva, ao contrário, “começaram a invocar o nome do Senhor”. (Gn 4.25.26).

Nos dia de Nóe e Ló os povos também só pensavam na vida material
As gerações antidiluviana e pós-diluviana eram voltadas para a coisas desta terra: “Como aconteceu  nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do Homem. Comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos. A mesma coisa aconteceu nos dias de Ló. Comiam, bebiam, casavam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam. Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos”. (Lc 17.26-29). Apenas oito pessoas foram salvas do dilúvio e somente três foram salvas na destruição da cidade de Sodoma e Gomorra.  As coisas desta terra estavam em primeiro pla
no, Deus em segundo, terceiro, quarto... Havia muito apego às “coisas boas e legitimas”, mas pouco apego às coisas espirituais.

Jesus nos advertiu! “Lembrai-vos da mulher de Ló”.(Lc 17.32). O coração da esposa de Ló estava “preso” em Sodoma, nos bens materiais que ali havia deixado: “Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará o vosso coração”. (Mt 6.21)

Como foi no passado, nos dias de Noé e de Ló, assim será nos dias  do Filho do Homem
Assim é nos nossos dias, a nossa sociedade pós-moderna continua a mesma: ansiosos, inquietos e cuidadosos quanto ao que comer, o que beber, o que vestir, etc. "Porque todas essas coisas os gentios os procuram. Decerto, vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de toda essa coisa”. (Mt 6.31,32). “Olhai para a aves do céu...” (Mt 6,26). Jesus disse que temos mais valor do que a aves, somos a corôa da criação de Deus!

A preocupação materialista fincou raízes na igreja com a  Teologia da Prosperidade
A Teologia da Prosperidade  dá ênfase no ter como objetivo da fé, e não no ser. É o “evangelho” das vantagens, das barganhas. Hoje, existem muitos Pastores acumulando riquezas, explorando o povo e pregando um “outro evangelho”: “Mas, ainda que vós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vós anunciamos, seja anátema”. (Gl 1.8). Considere o maldito.

["Não podemos usar a bíblia, o ministério e a vida cristã como fonte de lucro material (I Tm.6.5). O obreiro é digno do seu salário, mas o evangelho não tem o propósito de enriquecer ninguém (..). 

Não podemos vender a bênção de Deus, como Balaão (Jd.11) (...).

Também não podemos comprar a bênção, como queria Elimas, o mágico. A esse respeito, disse-lhe Pedro: “Seja teu dinheiro contigo para a perdição, pois cuidaste adquirir com dinheiro o dom de Deus” (At.8.20). Ofertas não compram a bênção. Tentar fazê-lo é profanação e ofensa. Deus não faz comércio com seus filhos. Devemos ofertar para agradar a Deus, deixando que ele nos abençoe como quiser e quando quiser. A contribuição motivada por interesse é demonstração de egoísmo disfarçado de espiritualidade.  Não podemos abrir mão de valores espirituais em troca de dinheiro (...)”].  (Anísio Renato Andrade).

Judas, um dos doze Apóstolos, vendeu Jesus  pelo preço de um escravo. (Mt 26.14-13).
Há muitos, até na igreja, assim como Judas que por ganância: mentem,  roubam, traem, se vendem etc. O amor ao dinheiro é o seu bem maior.  Não é pecado termos dinheiro,  mas pecado é termos amor ao dinheiro: “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” (I Tm 6.10). Judas trocou Jesus por um “prato de lentilhas”, e não mais encontrou lugar de arrependimento. (Mt 27.3-1-10). As “coisas da terra” sufocaram a sua vida espiritual e ele morreu sem Jesus, sem salvação e sem as suas trinta moedas de prata.

Vivemos nesta terra, e necessitamos de dinheiro
Temos que ter dinheiro para viver, para comprar uma casa, um carro, ter um plano de saúde, viajarmos, ajudarmos a obra de Deus, etc. Ter dinheiro é benção e não maldição. O que é pecado é colocarmos o nosso coração nas “coisas boas e legitimas” e deixarmos Deus para segundo plano. Assim a humanidade tem feito desde os seus primórdios. Deus não aceita o segundo lugar na vida de ninguém, Ele quer ser  "Senhor" em nossas vidas. Nosso amor em mais alto grau deve ser a Deus: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coraçõa, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento". (Mt 22.37).

Somos peregrinos nesta terra
O que é setenta, oitenta, noventa, cem anos perto da eternidade? Que os nossos olhos, os nossos  pensamentos e o nossos corações estejam voltados para o céu, para a Pátria celestial, para o invisível, e não somente para a terra,  para as coisas materiais, coisas palpáveis...  “Mas a nossa Pátria está nos céus, de onde esperamos o Salvador”. (Fp 3.20).

Não podemos inverter os valores e deixar os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas, sufocarem a nossa vida com Deus. (Mt 13.7,13). Não busquemos desenfreadamente as coisas terrenas: “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e as todas essas coisas vos serão acrescentadas”. (Mt 6.33).

O bem maior dos povos antes e após o dilúvio era zelar pela vida física, emocional e financeira,  O bem maior de Balão foi o preço dos encantamentos, as honrarias,  o bem  maior de Judas foi o dinheiro, porém, o bem maior  de nossas vidas, dos cristãos verdadeiros, que vivem nesta sociedade capitalista, totalmente voltada para o materialismo,  deve ser o Senhor Jesus!

“Ele é tudo pra mim,
Ele é tudo pra mim,
Ele é o Tesouro que tenho
Guardado em meu peito
Ele é tudo pra mim.
Ele é o tesouro que tenho
Guardado em meu peito
Ele é tudo pra mim”

“Eu sou do meu Amado e meu Amado e meu”. Jesus o nosso  Tesouro, o nosso bem maior!

Maria Isabel da Silva Lima
Copyright

2 comentários:

  1. Jesus é nosso bem maior.Passando pra desejar um Feliz Natal e um Ano Novo abençoado,repleto de realizações! beijo.
    http://www.ficarbem.com/

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Leny pelo carinho!! Sim, Jesus, Ele é nosso bem maior, não há outro... "Porque dele e por ele e para ele são todas as coisas, Glória, pois, a ele eternamente. Amém" (Rm 11.36)). Que você também tenha um Natal feliz e um Ano Novo guardada, escondida, debaixo das potentes mãos do Senhor. Abraços querida!!

    ResponderExcluir