sábado, 1 de setembro de 2012

COMO DEUS NOS VÊ E COMO SATANÁS NOS VÊ

Deus enxerga a nossa pessoa de uma maneira totalmente diferente de Satanás.  Assim aconteceu com o Patriarca Jó e acontece também conosco. Deus em sua onisciência, conhecia Jó profundamente, já Satanás, por não ser onisciente, apenas fazia deduções errôneas e deturpadas quanto a pessoa de Jó.

Como Satanás enxergava Jó
Satanás enxergava Jó como um “interesseiro”: “Teme Jó a Deus em vão? Acaso não o tens protegido de todos os lados a ele, a sua casa e a tudo o que ele tem: A obra das suas mãos abençoaste, e os seu bens se multiplicam na terra. Mas estende a tua mão, e toca lhe em tudo o u que tem, e ele certamente blasfemará de ti na tua face”! (Jó 1.9-11).   Dizia ele que Jó somente era fiel a Deus  porque Ele o havia cercado de bens, protegido a sua vida e a de sua família. Ao ver que a vida do Patriarca era abençoado por Deus,   Satanás deduziu que o relacionamento de Jó com Deus era baseado apenas numa mera “transação comercial”, era um relacionamento "mercantilista", que  visava o interesse, o lucro, o ganho.

Como Deus enxergava Jó
“Então disse o Senhor a Satanás: Observaste o meu servo Jó? Não há ninguém na terra semelhante a ele, homem integro e reto, que teme a Deus e se desvia do mal” (Jó 1.8). Deus apostava em Jó , em sua fidelidade. Ele sabia que Jó o amava pelo que Ele era, e não pelo que ele tinha. Deus realmente o havia abençoado com uma esposa, com filhos, com bens, com  saúde, mas quando Jó perdeu tudo, ainda conservou a sua integridade, a sua justiça, o seu temor a Deus e não compactuou com o mal.

Jó, agora um moribundo, em meio às cinzas, no esterco, no deposito de lixo nos arredores da cidade, entre os mendigos, entre os párias da sociedade, entre os leprosos e os cães, com feridas purulentas, vermes  caminhavam pelo seu corpo, obrigado a morder a própria pele para abrir bolhas, sua carne apodrecia,  e uma dor que  nunca passava, ainda assim, diz convicto: “Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra. E depois de consumida a minha pele, ainda em minha carne verei a Deus. Vê-lo-ei por mim, e os meus olhos, e não outros, o verão; e, por isso, o meu coração se consome dentro de mim” (Jó 19.25-27).

Jó "enxergou" Deus em meio ao sofrimento
Jó nunca soube sobre o conflito que houve entre Deus e Satanás por causa de sua pessoa, porém,  em meio às perdas e sofrimentos, ele conseguiu "enxergar" Deus. Quando Jó tirou os olhos de si próprio, do seu sofrimento, de suas lamúrias, de seus questionamentos ele "enxergou" o "Invisível". Jó agora passou a enxergar Deus através de um novo prisma: “Como os ouvidos eu ouvira falar de ti, mas agora te veem os meus olhos” (Jo 42.5).

“Quanto maior é a visão do calvário, quanto mais deve essa visão levar aquele que sofre a prostrar-se humildemente perante o seu Deus numa atitude de profunda admiração, amor e louvor”. (Bibliotecabiblica.blogspot.com)


Escrito por:
Maria Isabel da Silva Lima
Copyright: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário