sexta-feira, 1 de junho de 2012

A INVEJA

Sentimento de  querer ter o que é de outrem: seja a beleza, o talento, a inteligência, o  status, os bens, a família, o emprego, etc. O individuo deseja o que é do outro, mas  é incapaz de alcançá-la devido à sua incompetência e limitações: física, financeira  ou intectual.

Inveja, antipatia ressentida contra outra pessoa que possui algo que não temos e queremos, pode ser tanto coisas materiais, como qualidades inerentes do ser. Isso em psicologia é denominado "formação reativa" que é um mecanismo de defesa dos mais “fracos" contra os mais “fortes". O invejoso é tomado de desgosto e pesar em ver o bem ou a felicidade alheia.

Exemplos à Luz da Bíblia:

A  inveja e os talentos
A inveja tomou conta do coração de Caim quando observou o prazer de Deus em aceitar a oferta de Abel e o desprazer de Deus em rejeitar a sua oferta. Caim fortemente irado e amuado premeditou o assassinato do próprio irmão, sendo o primeiro fratricida da  história da humanidade. (Gn 4.3-5).
Ainda hoje. há muitos na igreja assassinando o próprio irmão quando este oferece a sua oferta ao Senhor. Não contentes com os próprios dons  e talentos invejam o irmão que canta, que toca, que rege, que prega, que ensina, etc. “Também vi eu que todo trabalho e toda destreza em obras trazem ao homem a inveja do seu próximo” (Ec 4.4.). Inveja que causa divisão e inimizade na igreja., como causou entre os descendente de Caim e os descendentes de Abel.

A inveja e a Liderança
Coré, Data e Abirão, dois grupos distintos que se insurgiram contra o Líder Moisés e o Sumo Sacerdote Arão. Um deles chefiado por Core, ofendidos com a  nomeação da família de Arão para o cargo altíssimo do Sacerdócio. O outro grupo, com Data e Abirão à frente, achava-se com direito da chefia do povo escolhido no lugar de Moisés. Os três homens receberam da parte de Deus a justa condenação: a terra abriu a sua boca e os tragou vivos.
 Quem escolhe Dirigentes para o seu povo é o Senhor e não os homens. A inveja faz o homem querer um lugar que não lhe pertence, nem pertence a quem ele queira que o ocupe.

A inveja e a popularidade
Ao regressar Saul e seu exército, e  também Davi de ferir os filisteus, as dançarinas de todas as cidades de Israel saíram ao encontro de Davi, não ao encontro de Saul, contando e dançando, entoando-lhe novas “Saul feriu os seu milhares, porém Davi os seu dez  milhares” (I Sm 18.7). Saul muito indignado e enciumado, daquele dia em diante passa a não enxergar mais Davi com bons olhos.  Davi, era apenas o chefe do exercito de Saul, porém,  invejado pelo grande Monarca de Israel, pois havia em Davi o que não havia mais em Saul, além de seus predicados, havia ainda o Espírito de Deus atuante na vida dele.
Muitos  grandes Lideres sentem  inveja de seus liderados, por não serem bem quistos, não terem o mesmo carisma, o mesmo potencial, a mesmo dom, a mesma sabedoria, e acima de tudo, o Espírito de Deus atuante em suas vidas..

A inveja e a prosperidade
 “Semeou-se Isaque naquela terra e, no mesmo ano, recolheu cem vezes mais, porque o Senhor o abençoava. Engrandeceu-se o homem, e foi-se enriquecendo até que se tornou poderoso. Possuía ovelhas e bóias, e muita gente de serviço; de modo que os filisteus o invejavam. Por isso entulharam todos os poços que os servos de seu pai tinham cavado, nos dia de Abraão, enchendo-os de terra”. (Gn 26.13,14).
O texto acima por si é autoexplicativo, mas a verdade é uma só, quando o invejoso vê o seu semelhante progredir, assim como os filisteus, ele tenta prejudicar o outro a qualquer custo.

A inveja deve ser deixada
“Deixando, pois, toda a...inveja... Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”.  (I Pe 2.9). A inveja tem efeito corrosivo: “O coração tranqüilo é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos” (Pv 14.30).

A inveja – obras da carne (Gl 5. 19-21).
São obras do velho homem que  necessita ser despojado e ser renovado do novo homem. “Quanto ao trato passado vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano... e vós revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade.” (Ef 4.22,24). “Ainda sois carnais. Pois havendo entre vos invejas e contendas, não sois carnais, e não andais segundo os homens”. (I Co 3.3)

Forma da inveja se manifestar
Em forma de murmurações, criticas,  revoltas, conluios, brincadeiras de mau gosto, deixar pouco importante um fato inédito, tentar denegrir a imagem do outro,  tentar sufocar, rir do talento do outro, mostrando que ele sabe fazer bem melhor. A inveja não nos deixa elogiar algo de bom que tenha feito o nosso semelhante, mesmo quando gostamos, tentamos provar para nos mesmos que é algo ruim, tentando apontar defeitos imperceptíveis. “Sonda-me o Deus” - vira-me do avesso – “vê se há algum caminho mal e guia-me pelo caminho eterno”. (Sl 139.1,24).

Conclusão
 É muito difícil assumirmos a inveja, tentamos negá-la a qualquer custo. Achamos a inveja um sentimento horrível,  mas muito mais horrível é a pessoa não assumir e não pedir que Deus a liberte de tal sentimento tão mesquinho e pequeno. Todo ser humano, sem exceção, já foi ou pode ser acometido por este sentimento em seu coração. Porém, Jesus veio ao mundo para desfazer as obras do diabo, por isso, o cristão deve assumir: “Eu estou com inveja de algo da minha família, do meu amigo, do meu colega, do meu irmão...”,  a Bíblia diz:  “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que confessa e deixa alcança  misericórdia”.  É dever do cristão pedir graça e ajuda a Deus  para ser liberto de tal sentimento, e desejar toda sorte de bençãos àqueles a quem estiver "invejando".  “O Espírito Santo ajuda as nossas fraquezas... mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis” (Rm 8. 26).
O cristão pode pecar, mas não viver na  pratica do pecado. “Se dizermos que não temos pecado nenhum, enganamos-nos a nos mesmos...Aquele que é nascido de Deus não vive  na prática do pecado” (I Jo 2.8; 3.9).
Não podemos impedir que este sentimento surja em nossos coração, mas podemos impedi-lo de se alojar em nossos corações, pois com o amor de Deus derramado em nossas vidas, nossos corações não terão lugar para a inveja. “O  AMOR não é invejoso”. (I Co 13.4).


Escrito por:
Maria Isabel da Silva Lima
Copyright: proibida a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criação de obras derivadas e uso comercial sem a prévia permissão do autor.


Fontes:
Bíblia de Estudo Pentecostal
O Novo comentário da Bíblia
Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. ed. Nova Fronteira.
Artigos da Internet:

Um comentário:

  1. parabens isabel pelo espaço prossiga investindo nele. fica com Deus lamarque

    ResponderExcluir