sexta-feira, 15 de junho de 2012

CRISTÃOS QUE VIVEM RELIGIOSIDADE

O IRMÃO DO FILHO PRÓDIGO, O PRIMOGÊNITO, ERA RELIGIOSO! (Lc 15.11-32)

Primogênito, é o filho mais velho, o que é gerado antes dos outros irmãos.  Na parábola do filho pródigo temos como personagens: o Pai, o filho mais velho,  “o primogênito”,  e o filho mais moço, “o pródigo”, que abandonou o lar paterno em busca de prazeres e foi viver em uma terra longínqua, e depois que desperdiçou a sua herança voltou humildemente para a casa do seu Pai.

Neste texto darei ênfase ao filho mais velho,  “o primogênito” da família, o que nunca saiu da casa do Pai, mas que também nunca “conheceu” o Pai e nem conhecia que ele tinha de direito como  filho primogênito.

Direitos do “primogênito” na família:
- Liderar a adoração a Deus e chefiar a família;
- Dupla porção da herança paterna, (2/3 da herança);
- Direito à benção do concerto, conforme Deus prometera a Abraão.

O que o filho primogênito tinha: uma família, casa,  pão, trabalho digno e uma herança, porém, uma coisa ele não tinha: um coração igual ao do pai. Quando o seu irmão, o pródigo,   retornou ao lar, a atitude do pai foi de amor, de compaixão, de carinho, de reconciliação, de honra, alegria, de festa, etc. Já a atitude  do filho primogênito foi  oposta à atitude de seu pai: “quando veio e chegou perto de casa, ouviu a musica e as danças, chamando um dos servos perguntou o que era aquilo. E ele lhe disse: Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo. Mas ele se indignou e não queria entrar. E, saindo o pai, instava com ele”. (Lc 15.25-28) . O que faltou ao filho mais velho? Faltou o amor, o afeto, o abraço, o beijo,  a misericórdia para com o irmão mais jovem que retornava à casa paterna.

O filho primogênito não participou da festa de regresso do irmão
Não comeu , não bebeu e nem se alegrou com a família, antes, ficou aborrecido, com ciúmes do irmão e “disse ao Pai: Eis que te sirvo há tantos anos... e nunca me deste um cabrito... vindo porém este filho...mataste o bezerro cevado”. (vv.29,30). O bezerro cevado era o novilho ainda novo, gordo, nutrido, desenvolvido.

Atitude parecida têm alguns cristãos, quando veem um desviado retornando ao lar paternal. Alguns ficam  “indignados” quando observam o “pródigo” usufruir do aconchego da casa do Pai: da melhor roupa, do anel, das sandálias,  do bezerro cevado, da alegria, da festa... e pensam “nunca me deram um cabrito” .“Haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende...” (Lc 15.7)

O filho primogênito não tinha intimidade, diálogo,  com o pai
“Filho, tu sempre estas comigo, e todas as minhas coisas são tuas”. O Pai o chamou de “filho”, literalmente “criança”, uma palavra terna, e explicou que a herança também pertencia a ele. Faltava ao filho mais velho dialogar com o Pai, para conhecer todos os seus direitos.  O Pai quer ouvir a voz de seus filhos: “Mostra-me a tua face, e faze-me ouvir a tua voz, pois tua voz é doce e o teu rosto formoso” (Ct 2.14). O Pai quer ter mais comunhão com o filho.

O filho primogênito não usufruía de sua herança na casa do Pai
“Nunca me deste nem um cabrito para alegrar-me com meus amigos” (v.29). Nunca o moço havia tomado posse da herança que lhe pertencia por direito e que era muito maior do que a do irmão mais moço.

Assim também acontece com muitos cristãos,  não usufruem da herança  conquistada por Jesus na cruz do calvário para os seus fiihos. O cristão é herdeiro de Deus e co-herdeiro em Cristo: temos a paz, a vida, a graça, a Palavra, a glória, a salvação, o pão do céu, o amor, o poder, etc. Chegamos ao fim da vida e não conseguirmos usufruir de toda a herança que Jesus deixou-nos após a sua morte.

O filho primogênito era  religioso
Ele nunca havia transgredido os mandamentos do Pai, era obediente, era religioso, era justo aos próprios olhos, mas, desprezava o próprio irmão. “Eis que te sirvo a tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento... (v.29).

Não diferente deste moço são alguns na igreja do Senhor, que batem no peito e dizem em oração: “Ó Deus graças te dou, porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dizimo de tudo quanto possuo”. (Lc 18.11).  Crentes reformados,  hipócritas! Pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de iniqüidade”. (Mt 23.25).

O filho primogênito era crítico
Criticou a atitude do Pai, dizendo que nunca lhe dera um cabrito e para o irmão "mataste o bezerro cevado" (vv.29,30). Criticou a atitude do irmão: “Vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou a tua fazenda com as meretrizes, mataste o bezerro cevado”. (v.30). A critica torna-se um hábito no meio dos cristãos e necessita ser deixada.

O filho primogênito era egocêntrico
O filho mais jovem “caiu em si” e retornou para a casa o Pai, já o filho mais velho, estando na casa do Pai “estava fora de si”. Ele se via injustiçado pelo Pai, pela alegria e todo o aparato que o Pai demonstrava com o retorno do filho “indigno”. Ele, sim era “digno”, mas o Pai não o valorizava. Este moço somente enxergava ele, não conseguiu enxergar como o Pai enxergava: “...era justo alegrarmos-nos e regozijarmo-nos, porque este teu irmão estava morte e reviveu; tinha se perdido e foi achado”. (v.32)

E assim, com estas mesmas características, encontram-se muitos cristãos - vivendo religiosidade - nunca sairam da casa do Pai, mas também  nunca conheceram o Pai: não dialogam com o Pai, não  usufruem de sua herança na casa do Pai, são críticos, egocêntricos,  somente veem as suas necessidades, se veem injustiçados pelo irmãos e até pelo próprio Deus.

Porém, que possamos viver o verdadeiro evangelho,  crentes  transformados pelo poder do Espírito Santo,  que possamos conhecer o Pai e prosseguirmos em conhecê-lo: “Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor”. (Os 6.3). Quanto  mais o conhecermos, mais vivenciaremos atitudes de amor, de uma religião pura e imaculada,  para com Deus e para com os nossos irmãos.


Isabel Lima
Copyright

5 comentários:

  1. Querida irmã Isabel.

    Vim agradecer sua visita, amei!!!
    Já te seguindo com todo o meu amor cristão.

    Sábias palavras!
    A nossa caminhada cristã deve ser na direçãoe na unção do Espírito Santo, pois Ele nos ensina todas as coisas. Cabe a nós obedecer os mandamentos deixados pelo nosso Mestre.

    Creia que és preciosa aos olhos de Deus e que, as suas palavras irão alcançar muitos corações que necessitam do Amor e da Graça do nosso Senhor e Salvador Jesus.

    Em Cristo,

    ***Lucy***

    ResponderExcluir
  2. isabel muito bem trabalhado seu texto. otimo final de semana lamarque

    ResponderExcluir
  3. Oiie querida, Paz!
    Visitei seu blog e gostei muito, belos textos.
    Espero então sua visita no meu, certa que ficarei
    muito honrada! ^^

    http://brilhandoemeioastrevas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Uma bênção este blog, Irmã Isabel.

    Se receber um convite para postar na Associação de Blogueiros Crisãos, minha irmã aceitaria?

    Joao Cruzué/Blog Olhar Cristão

    ResponderExcluir
  5. Poucas mulheres tem uma percepção tão aguçada, eu nunca havia pensado neste texto por este ângulo, sempre se dá muita ênfase ao pródigo. PARABÉNS, MUITO BOM!!!!!!!

    ResponderExcluir